REFEIÇÕES SAUDÁVEIS

Refeições Saudáveis

Não existe uma refeição saudável existem muitas!

Existem tantas combinações possíveis que, seguindo alguns princípios básicos com um pouco de imaginação, conseguimos obter refeições para todos os gostos, para todos os orçamentos e para todo o tipo de habilidades culinárias.

Mas quais são estes princípios afinal?

  • Comer vegetais e fruta em abundância. Os vegetais devem ser a estrela do prato! São alimentos muito nutritivos e pouco calóricos. Procure os produtos da época e varie o mais possível.
  • Escolher bem as de onde vêm os hidratos de carbono. Os cereais integrais como arroz integral, pão integral, massa integral, aveia ou até quinoa, as leguminosas como o feijão e o grão, as castanhas e os tubérculos como a batata-doce são boas fontes de hidratos de carbono de absorção lenta que vão deixá-lo saciado e cheio de energia por mais tempo.
  • As gorduras saudáveis são essenciais. As gorduras presentes nos óleos vegetais, no azeite, nos frutos secos, no peixe e no abacate não só fazem bem ao seu coração e contribuem para o bom funcionamento hormonal e para um cérebro mais saudável como são essenciais para tornar os alimentos mais saboroso e apetecíveis.
  • As proteínas não são todas iguais. As de origem animal devem ocupar menos de 1/3 do prato e dentro destas deve dar preferência ao peixe e às aves. As leguminosas (grão, feijão, ervilhas, favas, lentilhas, soja) são também boas opções proteicas assim como os frutos secos e sementes (amêndoas, avelãs, pinhões, nozes, sementes de girassol).

As carnes processadas (salsichas, bacon, fiambre, chouriço…) devem ser deixadas para os dias especiais pois o seu consumo está associado a diversos problemas de saúde.

  • A água como bebida de eleição. A ingestão de calorias líquidas deve ser reduzida (refrigerantes, sumos, batidos, bebidas alcoólicas), sobretudo se procura manter um peso saudável.

No meio de todos estes conselhos é bom relembrar que a comida é muito mais do que uma fonte de nutrientes. A comida é parte do que somos e de como nos relacionamos com os outros, é fonte de prazer e de bem-estar não só físico mas também bem-estar social e emocional pelo que optar por fazer uma alimentação mais saudável deve basear-se em: 

Consciência em vez de culpa: Sentir culpa depois de comer algo menos saudável acontece, mas não ajuda. Tomar consciência de que aquela escolha não é saudável mas é agradável permite saborear o momento e permite compensar com escolhas saudáveis no resto do dia ou da semana.

Progresso em vez de perfeição: A alimentação saudável é um projecto de longo prazo e que nunca será perfeito, mas será progressivamente melhor e mais fácil!

 

Boas refeições!