BEBÉS

Bebés

Nos primeiros anos de vida os bebés crescem a um ritmo alucinante. A alimentação é extremamente importante para garantir que o bebé se desenvolve atingindo todo o seu potencial. 

0 aos 6 meses – Período Lácteo

Este período caracteriza-se por ser o leite o único alimento do bebé.

O leite materno em exclusivo (sem qualquer outro alimento ou líquido) é a melhor forma de alimentar o bebé durante o início da sua vida e tem um impacto profundo na saúde e no desenvolvimento do bebé. 

A Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento exclusivo nos primeiros 6 meses de vida e aconselha o leite materno como complemento até aos dois anos de idade.

Ao amamentar evite os horários rígidos e a limitação do tempo da mamada. Procure estar disponível e esteja atenta aos sinais de fome e saciedade do seu bebé.

Benefícios do aleitamento materno para o bebé:

  • O leite materno fornece todos os nutrientes necessários nas proporções correctas e contém ainda anticorpos maternos que ajudam a aumentar as defesas do bebé 
  • O acto de mamar estimula o desenvolvimento adequado da boca e do maxilar e estimula a secreção de hormonas importantes para a digestão e saciedade
  • Ao amamentar criam-se laços importantes entre a mãe e o bebé
  • O leite materno reduz o risco de vir, mais tarde, a sofrer de obesidade, colesterol alto, hipertensão, diabetes, asma e leucemias

A saúde da mãe também fica mais protegida ao amamentar:

  • Diminuição do risco de hemorragia pós-parto
  • Redução do risco de diabetes, cancro da mama, útero e ovário
  • Menor risco de vir a sofrer de depressão pós-parto
  • Maior facilidade em voltar ao peso pré-gravidez
  • É muito económico

Quando a mãe se vê impossibilitada de amamentar ou não deseja fazê-lo existem no mercado diversas fórmulas adaptadas que pretendem ser tão parecidas com o leite materno quanto possível. Apesar de não serem o ideal são por vezes necessárias. Aconselhe-se com o seu pediatra ou nutricionista/dietista para escolher qual a fórmula e qual quantidade indicada para o seu bebé.

Leites adaptados:

Idade 

Tipo de leite

Até aos 4-6 meses

Leite para lactentes – Leite 1

A partir dos 4-6 meses

Leite de transição – Leite 2

O leite de vaca está completamente contra-indicado até ao ano de idade. Não vai fornecer os nutrientes necessários ao bebé nas quantidades adequadas, pode causar alergias e mais grave ainda pode prejudicar os rins do bebé. 

6 meses ao 1 ano - Período de diversificação alimentar ou de introdução de novos alimentos

O leite materno tem uma composição adaptada ao crescimento do bebé nos primeiros seis meses de vida. Se a criança está a ser amamentada o leite como alimento exclusivo até essa idade é o ideal. Aos seis meses ocorre normalmente a introdução de novos alimentos.

Não é aconselhável fazê-lo antes pois o bebé ainda não desenvolveu a capacidade de levar alimentos semi-sólidos até ao fundo da boca e engoli-los, e o seu sistema digestivo e os seus rins não estão preparados para outros alimentos. Começar o desmame apenas aos seis meses reduz o risco de asma, eczema, problemas digestivos, alergias e obesidade.

Também não é aconselhável prolongar a amamentação exclusiva por mais de seis meses uma vez que o leite deixa de ser suficiente para fornecer todos os nutrientes necessários ao desenvolvimento do bebé.

A introdução de outros alimentos poderá acontecer um pouco antes se o bebé toma um leite adaptado, ou quando há outros factores a ter em conta, como o regresso da mãe à sua actividade profissional e claro tendo em conta o desenvolvimento do bebé. Procure informar-se com um profissional de saúde. 

A diversificação da alimentação é um processo e não um evento, acontece de forma gradual e o leite (materno ou adaptado) vai continuar a ter um papel muito importante.

Procure iniciar esta etapa com calma e com algum tempo disponível. Deixe o bebé explorar os alimentos com as mãos. Inicialmente o bebé vai comer muito pouco e gradualmente vai aumentar a quantidade de alimentos ingeridos à refeição. Não o force a comer ‘tudo o que tem no prato’, respeite o seu ritmo e o seu apetite. 

Entre estas novas ‘refeições’ continue a amamentar (ou a dar biberão) se o seu bebé desejar.

6 Meses

Tradicionalmente aos 6 meses introduz-se uma refeição com alimentos complementares (ex. papa de cereais, puré de legumes, pedaços de fruta…) mantendo as restantes refeições com leite materno ou leite adaptado. E gradualmente introduz-se mais uma ou duas refeições.

A consistência das refeições complementares neste período costuma ser muito branda (purés pouco espessos).

Entre os 9 e os 12 meses o bebé faz, habitualmente, três a quatro refeições com alimentos complementares mais leite. A consistência dos alimentos complementares já pode ser mais espessa (introduzir aos poucos alimentos esmagados ou picados)

Aos 12 meses a criança já costuma ter um padrão regular de refeições com almoço, jantar e lanche com mais 1 ou 2 refeições intercalares de leite materno ou adaptado. O bebé já consegue mastigar. Aos poucos pode dar-lhe alimentos macios cortados em pedaços. Com um ano a maioria dos bebés já pode comer o mesmo que o resto da família. 

Salvo alguns alimentos alergénicos ou outros que apresentam o perigo de engasgar a criança não existem razões científicas que justifiquem a introdução de determinados alimentos primeiro. Essa escolha tem na maioria das vezes influências sociais e culturais e difere de país para país. Existe, no entanto, uma regra importante na introdução de novos alimentos: Introduzir um alimento de cada vez, a cada 3 dias, para se houverem reacções de intolerância ou alergia conseguir identificar qual o alimento responsável.

Aconselhe-se com o seu pediatra ou nutricionista/dietista.

Alguns pais optam por outros métodos como dar ao seu bebé alimentos da dieta familiar que ele possa agarrar e comer sozinho. Sendo o bebé a ‘conduzir’ o seu desmame (baby-led weaning). Alguns dos alimentos introduzidos para o bebé explorar e experimentar são a fruta, os vegetais, o pão, a massa, o arroz, a carne e alguns tipos de peixe, o queijo, etc. 

Exemplo de introdução de novos alimentos

Existem diversas formas e ordens correctas de introduzir novos alimentos. 

Algumas mais estruturadas outras com maior enfase no bebé, no seu desenvolvimento e no seu interesse por novos alimentos.

 

6 meses

  • Introduzir papa ao almoço 

Quando o bebé aceitar bem a papa

  • Introduzir puré de cenoura e batata temperado com um fio de azeite e sem sal ao almoço e passar a papa para o lanche
  • Uma semana depois – introduzir fruta à sobremesa (pêra, maçã, banana, papaia…)
  • A cada 3 dias – introduzir um novo legume na sopa (batata-doce, abóbora, cebola, feijão verde, courgette, brócolos…)
  • Quinze dias a um mês depois introduzir 30g de carne passada no puré de legumes (frango, vaca, borrego)

7 aos 9 meses 

  • Começar a sopa ao almoço e ao jantar

9 aos 12 meses 

  • Introduzir o peixe, a gema de ovo e novas frutas como a manga, o kiwi ou os citrinos
  • Começar a dar iogurte natural sem açúcar ao lanche ao qual pode misturar fruta ou bolacha Maria
  • Iniciar as leguminosas, bem cozinhadas
  • Introduzir o tomate e os espinafres

 

1 aos 2 anos

O bebé com 1 ano já come o mesmo que a restante família. Isto partindo do princípio que a alimentação praticada pela restante família é saudável (tenha em atenção os alimentos muito doces ou salgados).

A OMS (Organização Mundial de Saúde) recomenda que as crianças continuem a ser amantadas até aos dois anos de idade.

A dieta da criança deve ser variada e deve incluir alimentos de todos os grupos pois todos eles fornecem nutrientes importantes ao desenvolvimento da criança. 

O pão, a batata, o arroz e outros cereais são indispensáveis como fonte de energia, a fruta e hortaliças (sopa) vão fornecer quantidades importantes de água, vitaminas, minerais e fitoquímicos, os lacticínios são importantes fontes de cálcio e proteína, a carne, o pescado e os ovos além da indispensável proteína vão fornecer ferro e zinco, dentro deste grupo o peixe gordo vai fornecer ainda ómega 3 que é muito importante no desenvolvimento do cérebro e da retina do bebé. As leguminosas vão fornecer hidratos de carbono e fibra em quantidades importantes e as gorduras (azeite e óleos vegetais) são de enorme relevância nesta idade devendo fornecer pelo menos 40% da energia necessária. 

Tente oferecer ao seu bebé uma grande variedade de alimentos e estimule-o a alimentar-se sozinho e a experimentar novos sabores e texturas. Respeite o apetite do seu bebé e respeite o seu ritmo não o forçando a ‘limpar o prato’ nem tentando reduzir o tempo que ele demora a comer. A longo prazo isto tornará o seu bebé mais independente, mais confiante, e reduzirá o seu risco de obesidade, diabetes, etc.

Exemplo de um dia alimentar de uma criança entre o 1 ano e os 2 anos

Pequeno-almoço

  • Papa de cereais ou pão de mistura com leite (materno ou não)

Meio da manhã 

  •  Fruta

Almoço

  • Sopa de hortícolas
  • Massa, arroz ou batata com peixe, carne ou ovo e pequenos pedaços de hortícolas

Lanche

  • Leite (materno ou adaptado) ou iogurte ou queijo com
  • Pão de mistura ou papa de cereais 
  • Fruta

Jantar

  • Sopa de hortícolas
  • Massa, arroz ou batata com peixe, carne ou ovo e pequenos pedaços de hortícolas
  • Fruta

Ceia (se a criança tiver fome)

  • Leite materno ou adaptado 

Leitura recomendada

Alimentação Infantil - aleitamento materno e alimentação complementar, ministério da saúde brasileiro  http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/cadernoatenaaobasica_23.pdf